Sobral é uma cidade histórica. Todas as cidades têm a sua história, mas algumas são consideradas históricas, não por acaso. Elas constroem o seu próprio caminho; pelos feitos de seus filhos, em ações que vão consolidando a sua cultura de forma peculiar e, ainda, por fatos notáveis que lhes dão notoriedade. Sobral nos conta a história de sua evolução, por guardar em suas ruas e arquitetura, os testemunhos materiais que marcam as três fases econômicas de sua trajetória: a pecuária, o comércio e a indústria.

Justifica-se, assim, o tombamento do centro de Sobral pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), em 12 de agosto de 1999. Localizada às margens do Rio Acaraú e ao pé da Serra da Meruoca, nasceu Sobral da Fazenda Caiçara, que, no final do século XVIII, tornou-se núcleo urbano destacado por sua posição privilegiada no entroncamento das vias que ligavam o sertão aos portos de Acaraú e Camocim, por onde se escoava a produção da pecuária, atividade que sustentava a economia da região.

Elevada à condição de Vila Distinta e Real de Sobral, em 05/07/1773, floresceu com outras atividades como o comércio, trazido pela produção do algodão. Sobral, em 12 de janeiro de 1841, tornou-se Cidade, como polo hegemônico, político, econômico e cultural, impulsionada pela atuação de políticos sobralenses no Governo Imperial. Na transição dos séculos XIX-XX, Sobral viveu uma fase de grande expansão urbana e cultural, em razão dos seguintes fatores:

A implantação da Estrada de Ferro de Sobral em 1882, com o intercâmbio de produtos nacionais e europeus que chegavam ao porto de Camocim e vinham pela ferrovia para Sobral, onde transformações foram evidenciadas nas ideias e inovações tecnológicas, com novos padrões de comportamento, assimilados das grandes capitais brasileiras, e até de Paris, na França.

A ideia de modernidade dominava a cidade. Fundaram-se jornais, grêmios literários, Teatro São João (1880), Fábrica de Tecidos (1895), Escolas, Clubes Abolicionista e Republicano, fundou-se a União Cultural Sobralense, o Jockey Club, construíram-se sobrados, casarões azulejados, praças e igrejas. Em 1915, foi criada a Diocese de Sobral tendo, como primeiro Bispo, o sobralense Dom José Tupinambá da Frota que dotou a cidade de infraestrutura educacional, social e religiosa preparando-a para o seu futuro.

No ano de 1919, registra-se um fato científico que marcaria a história de Sobral. O eclipse que comprovou a Teoria da Relatividade de Albert Einstein. As Comissões Científicas - Inglesa, Americana e Brasileira - chegaram ao porto de Camocim e dali para Sobral, pela ferrovia com seus equipamentos e o automóvel Studebaker, o primeiro a chegar a Sobral. A população esperava o eclipse com grande expectativa. Se para uns o eclipse do sol seria importante fenômeno da astronomia, para outros, o temor da escuridão era o “fim do mundo”.

A Praça do Patrocínio foi escolhida para serem instalados os equipamentos astronômicos. A Comissão Brasileira ali se hospedou, e as Comissões Americana e Inglesa escolheram o espaço do Jockey Club (Prado), na Praça Senador Figueira, para suas observações, ficando hospedados na residência do Dr. Vicente Saboya. A comitiva de visitantes e autoridades locais deslocava-se a passeio na Serra da Meruoca, no automóvel trazido pelos cientistas, pela nova estrada inaugurada em 1918.

O ano de 1919 foi de seca no Ceará; o calor em Sobral era quase insuportável e a gripe espanhola se espalhava em nossa região. No Brasil, já eram registradas 15 mil vítimas. O mundo assistia ao término da Primeira Guerra Mundial, com o Tratado de Versalhes. Mas em Sobral, era tempo de investimentos educacionais e sociais: inaugurava-se o Colégio Diocesano, o Colégio Nossa Senhora da Assunção e o Pavilhão de Ferro do
Mercado Público, obra do Prefeito José Jácome. Circulava na cidade o Jornal Correio da Semana, fundado em 1918, trazendo as notícias locais e internacionais sobre o eclipse.

A confirmação para o mundo da Lei da Relatividade de Einstein, em Sobral, fez desta cidade um lugar predestinado para o saber. Afirmavam os cientistas: “A história do mundo moderno se iniciou com as expedições para a observação do eclipse de 1919”. Sobral foi considerada como o “Palco da Modernidade”.

Nas comemorações dos 100 anos de comprovação da Teoria de Einstein em 2019, em Sobral, podemos nos orgulhar de que nossa cidade se destaca no cenário brasileiro pelo saber, com educação de qualidade e como cidade universitária, confirmando as previsões científicas relatadas à época do eclipse, em 1919.

 

Por Giovana Saboya Mont ́Alverne

Professora de História da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)